Presidência da República acaba de sancionar projeto que beneficia a cachaça

O mercado da Cachaça recebeu com otimismo a notícia de que o projeto que coloca a bebida no regime do Simples Nacional acaba de ser aprovado pela Presidência da República, hoje, 27 de Outubro de 2016. Este incentivo impacta diretamente na competitividade dos produtores, além de tirar muitos alambiques da clandestinidade.

Com a entrada da Cachaça no Simples Nacional, a carga tributária de impostos vai baixar consideravelmente e, com isso, haverá um repasse positivo para os consumidores finais. Assim, a previsão é que em meados de 2018 e 2019, o valor da bebida artesanal vá diminuir. Com isso, o mercado aumentará o potencial de consumo.

Com a aprovação da cachaça ao Simples Nacional, os produtores terão uma baixa significativa dos impostos e isso refletirá de maneira muito positiva.

Para se ter uma ideia da expressividade do mercado da Cachaça, o Brasil atingiu em um único ano um faturamento de quase R$ 6 bilhões, quando foram produzidos mais de 500 milhões de litros da bebida. O país já contabiliza mais de 40 mil produtores alocados, principalmente, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Minas Gerais e Paraíba, sendo, 99%, do total, micro empresas. Apesar de exportar apenas 1% da produção, mais de 60 países já consomem o “ouro líquido brasileiro”.

A grandiosidade do mercado cachaceiro não se restringe somente ao Brasil. A cachaça tem apresentado crescimento no mercado internacional, sendo o terceiro maior destilado do mundo. A bebida também ocupa posição de destaque no mercado nacional, no qual o volume corresponde a 50% no segmento de destilados. Além disso, é o segundo maior mercado de bebidas alcoólicas no Brasil, atrás apenas da cerveja.

Até os produtores que não serão diretamente beneficiados avaliaram a medida como benéfica no que tange a expansão da bebida no país e em outras localidades.

Saúde! E aprecie com moderação.

Cachaça Sombra do Ipê e Córrego do Ouro